Fruta de graviola. Fruta de graviola.

A Graviola

A graviola, de nome científico Annona muricata L., é também conhecida por outros nomes, dependendo da zona geográfica. Pode conhecê-la por fruta-do-conde, jaca-do-Pará, pinha, guanábana, papaia-brasileira, pawpaw, etc.. A graviola é um pequeno arbusto, que pode atingir cerca de 10m e é conhecida por possuir propriedades medicinais. Podem usar-se as suas folhas, raízes, fruta e sementes para diversos fins, desde a alimentação até à medicação.

Medicina natural

Tem sido muito usada ao longo dos tempos na medicina natural, principalmente pelos povos da Floresta Amazónica e América Central. Nos Andes Peruanos, o chá das folhas é usado há muito tempo pelos povos indígenas, para o catarro e para a tosse, e as sementes esmagadas para eliminar parasitas. No amazonas peruano também as raízes e folhas são usadas como antiespasmódico e sedativo. Existem muitas outras utilizações na tradição de diversos povos, assim como é comum para outras plantas, mas que efeitos estão realmente comprovados?

Esta planta tem na sua composição, diversas substâncias, entre elas flavonóides, acetogeninas, alcalóides, etc., conhecidos por possuírem atividade biológica e benefícios para a saúde. As acetogeninas têm sido usadas pela indústria farmacêutica em medicamentos antibióticos, antifúngicos, inseticidas naturais, citostáticos, etc. Os flavonóides conhecidos pela sua capacidade antioxidante, fornecem ao organismo proteção contra doenças cancerígenas, doenças cardiovasculares e fortalecimento do sistema imunitário. Os alcalóides são amplamente utilizados pela indústria farmacêutica, em especial em medicamentos quimioterápicos e sedativos.

Até ao momento, a FAO aprovou a graviola para apoiar a função imunológica. Existem no entanto diversos estudos preliminares para outras situações. No que respeita às reivindicações de que a planta possa ser um aliado na luta contra o cancro, os resultados não são ainda conclusivos.

Sabe-se que tem propriedades hipoglicemiantes, e que existe quem a use para controlar as glicémias.

Também existem estudos que referem a sua capacidade para reduzir espasmos, aliviando dores abdominais. É rica em antioxidantes e possui atividade anti-inflamatória e antiartrítica.

Consumo

Atualmente é muito usada na culinária, para melhorar a qualidade de produtos como gelados, iogurtes, acrescentando-lhes valor pelos seus atributos nutricionais, sendo o seu néctar rico em fósforo, potássio, zinco e cálcio. A sua fruta é muito apreciada.

É uma planta com inúmeros benefícios, deve no entanto ser consumida com moderação, respeitando sempre as dosagens referidas nas embalagens quando usadas as folhas ou sementes (as mais ricas em acetogeninas).

Não deve ser usada durante a gravidez e pessoas com tensão arterial baixa devem ter atenção ao consumo da graviola, pela sua atividade vasodilatadora. O consumo em excesso pode, em algumas pessoas, provocar náuseas, sonolência e vómitos.



Inserido em: 2015-08-24 Última actualização: 2015-08-24

Comentar printer     E-mail   Facebook F

Outros alimentos
Autores > Cláudia Maranhoto